Seap irá monitorar apenados com tornozeleira durante as festividades do Círio

Versão para impressãoEnviar por e-mailVersão em PDF
As atividades, que estão sendo realizadas pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária – Seap, por meio da Central Integrada de Monitoração Eletrônica (CIME), fazem parte da Operação Círio, do Governo do Pará, em parceria com todos os órgãos que integram o sistema de segurança pública do estado. 
 
Durante três dias de operação, qualquer custodiado usando tornozeleira que se aproximar do percurso das procissões ou entorno de locais do Círio, será imediatamente identificado e orientado no local pelas equipes da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), sobre as regras do monitoramento.
 
A operação conta com 25 homens e mulheres da CIME, atuando 24 horas na monitoração de pessoas que estão no regime semiaberto, com tornozeleira eletrônica, trafegando no centro da cidade, especificamente, no tradicional percurso do círio. 
 
“Compreende a área da Sé, passando pela Estação das Docas, subindo a Presidente Vargas, Praça da República, avenida Nazaré, Basílica e monitorando também o que acontece até São Brás e as adjacências. Essa operação consiste em atuar com fiscalização, abordagem e essa fiscalização é também por  ligação telefônica, informar o monitorado que existe essa área de exclusão onde ele não deve transitar, pra gerar o sentimento de que eles estão monitorados, fiscalizados, porque eles se comunicam e isso acaba repercutindo entre eles, gera um efeito também educativo naquele monitorado que quer evitar qualquer tipo de constrangimento”,  informou André Margalho diretor da CIME. 
 
 
A operação da Seap está sendo feita de forma virtual e presencial da Polícia Penal da secretaria que atua na CIME, com a abordagem desses custodiados. O trabalho constituiu uma área, chamada zona de exclusão, para identificar a presença de custodiados nesses locais ou proximidades.
 
“Nós temos monitorado no Círio e em todos os eventos de massa, a nossa CIME faz esse trabalho de monitoramento, criando perímetros de exclusão e de alerta no sistema. De modo que todos os monitorados que ingressam nesse perímetro são abordados e dependendo da situação, eles podem, inclusive, serem presos se tiverem violação. A CIME, por meio das nossas equipes de campo, também avalia no exato momento da abordagem a relevância criminal do apenado, com o único propósito de dar tranquilidade e segurança aos romeiros.", afirma Jarbas Vasconcelos, secretário de Administração Penitenciária do Pará.
 
A Operação Círio da Seap, integrada ao sistema de segurança pública do Estado, começou hoje (09/10) e vai encerrar no dia 11 de outubro.